0 ITEMS
Share
Telefone. +351 212 751 000
   info@cristorei.pt
 
2014-09-12 | Fátima: Bispo das Forças Armadas e de Segurança preside à peregrinação de setembro

D. Manuel Linda alerta para o perigo do fundamentalismo islâmico e para a situação preocupante na Ucrânia

Fatima.pt
Fatima.pt

Fátima, Santarém, 12 set 2014 (Ecclesia) - O bispo das Forças Armadas e de Segurança de Portugal, D. Manuel Linda, vai presidir às celebrações da peregrinação aniversária de setembro no Santuário de Fátima, entre hoje e amanhã.

O responsável disse à Agência ECCLESIA que está preocupado com o que chamou de “fenómenos de fundamentalismo” e pediu a intervenção da comunidade internacional.

“Esta complexidade supõe que todas as forças/dimensões - diplomática, política, religiosa, de diálogo inter-religioso - e porventura também a força de persuasão, que são as forças armadas, deem as mãos para defender aquilo que é mais nobre, mais sagrado que é a própria vida humana exercida em liberdade”, destacou D. Manuel Linda, falando à Agência ECCLESIA em Fátima, à margem do 29.º Encontro da Pastoral Social.

A União Europeia aprovou sanções económicas contra a Rússia pelo conflito no leste da Ucrânia, mas adiou-as pelo cessar-fogo alcançado entre os dois países, uma posição que para D. Manuel Linda não é mais forte pela ausência de “uma política externa comum” que torna “muito difícil falar a uma única voz”.

As preocupações vão estar presentes na peregrinação anula de setembro, que terá como tema “Quereis oferecer-vos a Deus em reparação?” (das ‘Memórias da Irmã Lúcia’).

D. Manuel Linda disse à sala de imprensa do Santuário de Fátima que vai rezar pelos militares que lhe estão confiados, “para que Deus lhes conceda todo o bem, a felicidade e a alegria que nasce da fé”.

Ao manifestar a “grande honra” com que recebeu o convite, “atendendo ao que Fátima representa para Portugal e para o mundo”, o bispo do Ordinariato Castrense de Portugal destaca também a “responsabilidade” de presidir à peregrinação, “devido aos tempos conturbados que vivemos e à função iluminadora que a Igreja é chamada a realizar, como faz o muito querido Papa Francisco”.

Fonte: Agência Ecclesia

<<< Voltar