0 ITEMS
Share
Telefone. +351 212 751 000
   info@cristorei.pt
 
2014-08-14 | Coreia do Sul: Papa sublinha necessidade de valorizar os idosos e ajudar os pobres

Francisco apresenta propósitos da viagem em discurso inaugural

(Lusa) O Papa e a presidente da Coreia do Sul
(Lusa) O Papa e a presidente da Coreia do Sul

Seul, 14 ago 2014 (Ecclesia) – O Papa Francisco disse hoje em Seul que a sociedade contemporânea tem de saber respeitar os idosos e ajudar os pobres, elogiando a cultura coreana e a sua relação com os mais velhos.

“A cultura coreana possui uma boa compreensão da dignidade e sabedoria próprias dos antigos e honra o seu papel na sociedade”, declarou, durante a cerimónia de boas vindas à Coreia do Sul que decorreu na residência oficial dos chefes de Estado.

O Papa disse aos líderes políticos e civis reunidos na ‘Casa Azul’ que o mundo “cada vez mais globalizado” exige um esforço “não só de caráter económico mas também humano” para a construção do bem comum.

“Como é importante que a voz de cada membro da sociedade seja ouvida, promovendo-se um espírito de comunicação aberta, de diálogo e cooperação! É igualmente importante que se dedique especial atenção aos pobres, àqueles que são vulneráveis e a quantos não têm voz”, observou.

O discurso, em inglês, realçou que a Coreia, como a maioria das nações desenvolvidas, “enfrenta relevantes problemáticas sociais, divisões políticas, desigualdades económicas e preocupações na gestão responsável do meio ambiente”.

“Nutro a esperança de que a democracia coreana se consiga fortalecer cada vez mais e que esta nação demonstre primar também na ‘globalização da solidariedade’ que é hoje particularmente necessária”, prosseguiu.

Francisco explicou que a visita à Coreia, primeira de um Papa desde 1989, tem lugar por ocasião da VI Jornada Asiática da Juventude, “que reúne jovens católicos de todo este vasto Continente numa jubilosa celebração da fé comum”.

“Além disso, no decurso da minha visita, proclamarei beatos alguns coreanos martirizados pela fé cristã: Paul Yun Ji-chung e os seus 123 companheiros. Estes dois acontecimentos que celebramos completam-se um ao outro”, disse.

Segundo o Papa, os católicos honram os que sofreram o martírio pela fé “porque se prontificaram a dar a vida pela verdade em que acreditaram e de acordo com a qual procuraram viver”.

“Um povo grande e sábio não se limita a amar as suas tradições ancestrais, mas valoriza também os seus jovens, procurando transmitir-lhes a herança do passado que aplica aos desafios do presente”, acrescentou.

No início de uma viagem de cinco dias, Francisco deixou votos de que todos se possam dedicar “à construção da paz, à oração pela paz” e à promoção da justiça, superando as “injustiças do passado” através “do perdão, da tolerância e da cooperação”.

“A Igreja deseja contribuir para a educação dos jovens e para o crescimento de um espírito de solidariedade para com os pobres e desfavorecidos, contribuir para a formação de jovens gerações de cidadãos prontos a oferecer a sabedoria e clarividência herdadas dos seus antepassados e nascidas da sua fé a fim de se enfrentarem as grandes questões políticas e sociais da nação”, concluiu.

A presidente Park Geun-hye acolheu o Papa na ‘Casa Azul’, com honras militares, e reuniu-se depois em privado com Francisco para debater temas de interesse comum na companhia de dois ministros coreanos, do secretário de Estado do Vaticano e do núncio apostólico (embaixador da Santa Sé) em Seul.

Fonte: Agência Ecclesia

<<< Voltar