0 ITEMS
Share
Telefone. +351 212 751 000
   info@cristorei.pt
 
2014-07-09 | Pedofilia: Papa pede perdão e diz que na Igreja não há lugar para padres abusadores

Francisco promete «tolerância zero»

Cidade do Vaticano, 07 jul 2014 (Ecclesia) – O Papa condenou hoje no Vaticano os “atos execráveis” de abusos sexuais perpetrados contra menores e pediu perdão às vítimas, afirmando que não há lugar na Igreja para membros do clero que pratiquem estes “crimes”.

“Perante Deus e o seu povo, manifesto a minha dor pelos pecados e graves crimes de abusos sexuais cometidos pelo clero contra vós e humildemente peço perdão”, declarou Francisco, na homilia da Missa a que presidiu na capela da Casa de Santa Marta.

A celebração contou pela primeira vez com a presença de um grupo de vítimas de abusos sexuais de sacerdotes, que o Papa recebeu depois pessoalmente em privado na sua residência, durante mais de três horas.

“Não há lugar no ministério da Igreja para os que cometerem estes abusos e comprometo-me a não tolerar a ninguém os danos infligidos a um menor, independentemente do seu estado clerical”, adiantou Francisco, pedindo a colaboração de “todos os bispos” na proteção dos menores.

O Papa quis ainda pedir perdão pelos “pecados de omissão” dos líderes da Igreja que não responderam de maneira adequada às “denúncias de abuso” apresentadas por familiares e pelas próprias vítimas.

O grupo era formado por seis pessoas, três homens e três mulheres, oriundas da Alemanha, Irlanda e Grã-Bretanha.

Francisco disse rezar para que a Igreja “chore” pelos que atraiçoaram a sua missão e “abusaram de pessoas inocentes”.

“Há muito tempo sinto no coração a dor profunda, o sofrimento – oculto durante tanto tempo”, confessou o Papa, em relação às vítimas, falando numa “cumplicidade que não tem explicação”.

Esse silêncio foi contrariado por alguns que chamaram a atenção para “este crime e grave pecado” dos abusos sexuais com que “alguns padres e bispos” violaram a inocência de menores “e a sua própria vocação sacerdotal”.

“São mais do que atos reprováveis, é como um culto sacrílego, porque esses meninos e meninas foram confiados ao carisma sacerdotal para os levaram a Deus e eles sacrificaram-nos ao ídolo da sua concupiscência”, declarou.

Francisco realçou que estes atos deixaram “cicatrizes para toda a vida”, com muitos sofrimentos para as vítimas e suas famílias, chegando mesmo à “terrível tragédia do suicídio de um ser querido”.

“As mortes destes filhos tão amados por Deus pesam no coração e na consciência, minha e de toda a Igreja”, assumiu o Papa.

A intervenção qualificou a presença de vítimas para um encontro no Vaticano como sinal do “milagre da esperança” e da “coragem” com que estas pessoas souberam “expor a verdade”, iluminando uma “terrível escuridão na vida da Igreja”.

Francisco prometeu vigilância na preparação de novos sacerdotes e disse contar, para isso, com o apoio da nova Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores, a fim de promover “as melhores políticas e procedimentos” neste campo.

“Faremos todos os possíveis para assegurar que tais pecados não voltem a acontecer na Igreja”,assumiu.

O Papa concluiu a homilia pedindo orações para que veja sempre “o caminho do amor misericordioso” de Deus e tenha a coragem de “seguir esse caminho pelo bem dos menores”.

Bento XVI, Papa emérito, encontrou-se com vítimas de abusos nas suas viagens aos Estados Unidos da América, Austrália, Malta, Reino Unido e Alemanha.

Fonte: Agência Ecclesia

<<< Voltar