0 ITEMS
Share
Telefone. +351 212 751 000
   info@cristorei.pt
 
2014-01-28 | Ensino: Associações promovem Semana da Liberdade de Escolha da Escola

Iniciativa conclui-se com conferência nacional dedicada ao tema

Lisboa, 27 jan 2014 (Ecclesia) – A CNEF - Confederação Nacional da Educação e Formação está a promover em Portugal a primeira Semana da Liberdade de Escolha da Escola, que se vai concluir esta sexta-feira com uma conferência nacional dedicada ao tema.

O projeto, que se associa a uma iniciativa internacional de promoção da liberdade de escolha da escola (www.nationalschoolchoiceweek.com), procura “envolver as comunidades educativas” e “sensibilizar a sociedade civil” para a temática.

“Durante esta semana, colégios, escolas profissionais, associações de pais e outras entidades irão realizar encontros, sessões e aulas dedicados a temas da liberdade de escolha da escola”, adianta a organização.

Neste contexto, o Colégio São João de Brito, em Lisboa, vai acolher na sexta-feira a primeira “Conferência da Liberdade de Escolha da Escola”, apresentada como “um importante momento de discussão pública do tema e de encerramento da semana”.

A Semana da Liberdade de Escolha da Escola é uma iniciativa da CNEF que conta com o apoio das escolas associadas da AEEP - Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo - e da ANESPO - Associação Nacional de Escolas Profissionais.

Jorge Cotovio, secretário-geral da APEC- Associação Portuguesa de Escolas Católicas, refere em texto enviado hoje à Agência ECCLESIA que esta semana pretende “alertar a opinião pública e os governantes para o direito constitucional que assiste os pais de escolherem a escola para os seus filhos”.

“Quando se fala de liberdade de escolha, imediatamente nos ocorre o ensino privado. E aqui temos uma primeira confusão. É que esta liberdade é muito mais ampla: ela permite que um pai opte por uma determinada escola, independentemente de ela ser estatal ou não estatal”, destaca o responsável.

Jorge Cotovio diz que o país dispensa “discussões estéreis e marginais sobre esta matéria”, pedindo a intervenção da Igreja e dos cristãos.

“Acolho, pois, todas as iniciativas, governamentais e da sociedade civil, que visem promover a liberdade de educação, ou seja, que procurem valorizar as escolas estatais e as escolas não estatais, sem estigmas e preconceitos”, acrescenta.

Fonte: Agência Ecclesia

<<< Voltar