0 ITEMS
Share
Telefone. +351 212 751 000
   info@cristorei.pt
 
2012-06-29 | Vaticano: Bento XVI recorda falhas na história do papado e diz que Igreja é mais forte do que «forças do mal»

Solenidade de São Pedro e São Paulo reuniu 43 arcebispos para a imposição do pálio

D.R.

Cidade do Vaticano, 29 jun 2012 (Ecclesia) – Bento XVI afirmou hoje no Vaticano que as falhas humanas estão na origem do “drama da história do próprio papado” e que a Igreja Católica é mais forte do que “as forças do mal”.

“O papado constitui o fundamento da Igreja peregrina no tempo, mas ao longo dos séculos assoma também a fraqueza dos homens, que só a abertura à ação de Deus pode transformar”, disse, na homilia da celebração em que 43 arcebispos metropolitas de todo o mundo, incluindo sete brasileiros e um angolano, receberam o pálio, uma insígnia litúrgica de "honra e jurisdição" da Igreja Católica.

Bento XVI declarou que as forças humanas e sobrenaturais que se opõem à Igreja Católica “não conseguirão levar a melhor” e destacou, nesse sentido, o papel desempenhado pelo próprio bispo de Roma.

O apóstolo Pedro, considerado como o primeiro Papa da história, “recebe garantias relativamente ao futuro da Igreja, da nova comunidade fundada por Jesus Cristo”, que se prolongam “por todos os tempos”.

“As decisões de Pedro, no exercício desta sua função eclesial, têm valor também diante de Deus”, acrescentou.

Na solenidade litúrgica de São Pedro e São Paulo, padroeiros de Roma, o atual Papa disse que estes apóstolos e mártires “representam todo o Evangelho de Cristo”.

“Sintamo-nos todos juntos colaboradores da verdade”, pediu o Papa aos metropolitas (prelado que preside a uma província eclesiástica constituída por diversas dioceses).

Cada arcebispo, nomeado nos últimos 12 meses, proferiu um juramento no qual se comprometeu a ser “sempre fiel e obediente” à Igreja Católica, ao Papa e aos seus sucessores.

Três arcebispos (mais um do que fora anunciado inicialmente) vão receber a insígnia na sua sede episcopal, por não se poderem deslocar ao Vaticano.

A celebração contou com a participação de uma delegação do Patriarcado Ecuménico de Constantinopla (atual Istambul, Turquia), da Igreja Ortodoxa, e pela inédita presença do coro da abadia anglicana de Westminster (Londres), que cantou com o coro da Capela Sistina.

Esta foi a primeira vez que o coro pessoal do Papa, com mais de 500 anos de existência, se apresentou em conjunto com outra congénere, numa decisão do próprio Papa, segundo a Santa Sé.

Fonte: Agência Ecclesia

<<< Voltar