0 ITEMS
Share
Telefone. +351 212 751 000
   info@cristorei.pt
 
2012-06-19 | Vaticano: Igreja chamada a enfrentar «desorientação» e «desconfiança» nas sociedades ocidentais

Documento preparatório do próximo Sínodo dos Bispos pede novas linguagens às comunidades católicas

D.R. | Sínodo dos Bispos, Vaticano

Cidade do Vaticano, 19 jun 2012 (Ecclesia) – O Vaticano apresentou hoje, em conferência de imprensa, o instrumento de trabalho (instrumentum laboris) da 13ª assembleia geral ordinária do Sínodo dos Bispos, alertando para sinais de “desconfiança” nas sociedades ocidentais face à religião.

O documento sublinha a existência de "uma desorientação que se traduz em formas de desconfiança relativamente a tudo o que foi transmitido “acerca do sentido da vida” e numa “relutância para aderir total e incondicionalmente” àquilo que foi dado como “revelação da verdade profunda” do ser humano.

Neste contexto, assinalam-se “transformações sociais e culturais” que estão a “modificar profundamente a perceção que o homem tem de si e do mundo”, gerando repercussões também sobre “o seu modo de acreditar em Deus”.

“É necessário procurar novos métodos e novas formas expressivas para transmitir ao homem contemporâneo a perene verdade de Jesus Cristo, sempre novo, fonte de toda a novidade”, indica o texto preparatório para o próximo Sínodo, que vai decorrer entre 7 e 28 de outubro, sobre o tema ‘A nova evangelização para a transmissão da fé cristã’.

Este documento é o resultado da síntese das respostas ao texto preparatório (lineamenta) desta reunião magna, divulgado em março de 2011, vindas dos vários episcopados, da Cúria Romana e da União dos Superiores Gerais dos institutos de religiosos e religiosas.

Os responsáveis católicos manifestam preocupações face ao “fenómeno do distanciamento da fé que progressivamente se manifesta nas sociedades e nas culturas que desde há muito apareciam impregnadas pelo Evangelho”.

A assembleia sinodal, acrescentam, deve procurar “repostas concretas às muitas perguntas que surgem hoje na Igreja, no que diz respeito à sua capacidade de evangelizar”.

“A Igreja sente como seu dever ser capaz de imaginar novos instrumentos e novas palavras para tornar audível e compreensível também nos novos desertos do mundo a palavra da fé que nos regenerou para a vida verdadeira em Deus”, pode ler-se.

Na introdução ao documento, o secretário-geral do Sínodo, D. Nikola Eterovic, observa que muitas respostas enviadas ao Vaticano sublinharam a “urgência” de “discernir como a Igreja vive hoje a sua originária vocação evangelizadora”, para evitar “o risco da dispersão e da fragmentação”.

A este respeito, observa-se que os vários episcopados têm publicado e promovido diversas atividades, no campo da nova evangelização, frisando que “nem todas as iniciativas produziram o êxito esperado”.

“Várias Igrejas particulares conhecem não só o afastamento dos fiéis, por causa da pouca fé, da vida sacramental e da prática cristã”, indica o instrumento de trabalho do Sínodo, acrescentando que “algumas até poderiam ser inseridas na categoria dos não-crentes”.

D. Nikola Eterovic, e o seu subsecretário, D. Fortunato Frezza, marcaram presença esta manhã no encontro com os jornalistas, dando a conhecer o documento, com versões em oito línguas, incluindo o português.

O Sínodo dos Bispos pode ser definido, em termos gerais, como uma assembleia consultiva de representantes dos episcopados católicos de todo o mundo, com a tarefa ajudar o Papa no governo da Igreja.

Fonte: Agência Ecclesia

<<< Voltar